quarta-feira, junho 29, 2005

O que andaram os bispos portugueses a fazer ontem

Pasmam-se as alminhas, os comprovados sexólogos e pais que são os bispos portugueses "querem as escolas com uma educação sexual controlada". O que equivale a dizer que não querem uma Educação Sexual.
Para a Igreja Católica, "a educação para a sexualidade deve basear-se nas necessidades dos alunos", logo, "o respeito pelos alunos não permite a utilização de jogos e de outras estratégias, como o desempenho de papéis, que excitam a imaginação e exploram sensações de forma manipulatória, ferindo a sensibilidade e a dignidade dos alunos, e não respeitando a sua intimidade e pudor". Para os nossos bispos, a actual perspectiva da Educação Sexual "deturpa o sentido da sexualidade, (...) abre caminho à vivência da liberdade sem responsabilidade, pela ausência de critérios éticos, e à aceitação, por igual, de múltiplas manifestações da sexualidade, desde o auto-erotismo, à homossexualidade (...)".
Estamos esclarecidos: Aproveitando a campanha mediática manipulatória organizada pelo jornal Expresso contra a APF, a Igreja Católica versão Ratzinguer volta ao ataque: a Educação Sexual cabe à família (como sempre coube), a imaginação no campo da sexualidade é um perigo (como sempre foi), a masturbação faz crescer pelos nas mãos (como sempre fez), o sexo é mau (fazer bebés não é sexo) e a homossexualidade nem se qualifica (dantes queimavam-se). Entretanto, @s noss@s jovens que continuem a crescer na idade média, a correr riscos desnecessários, a engravidar antes do tempo e a viver a sexualidade na ignorância e na ausência de sentido ético e de responsabilidade.
É nestes momentos que se aplica a frase felina "melhor vir-me que reproduzir-me".

Etiquetas: , , ,

Observatório Homofobia/Transfobia na Saúde @ Médicos Pela Escolha
DIVULGAÇÃO