segunda-feira, novembro 20, 2006

Dia da Memória Trans

Comunicado

O Transgender Day of Remembrance existe para honrar e relembrar aqueles/as que foram assassinados devido a transfobia ou preconceito. O evento acontece em Novembro em honra de Rita Hester, cujo assassinato a 28 de Novembro de 1998 iniciou o projecto "Remembering Our Dead" (um site com informação sobre transgéneros assassinados) bem como uma vigília em São Francisco em 1999. O assassínio de Rita Hester — como a maioria dos casos de assassinato anti-transgénero — ainda não foi resolvido.

Embora algumas pessoas relembradas durante o Transgender Day of Remembrance possam não ser identificadas como transgéneros — como transexual, crossdresser, travesti ou outra variante de género — cada uma foi vítima de violência baseada no preconceito contra as pessoas transgénero.

Vivemos em tempos extremamente sensíveis à violência baseada no ódio, especialmente desde os acontecimentos de 11 de Setembro nos EUA e 11 de Março em Espanha. Mesmo assim, ainda agora as mortes baseadas no ódio anti-transgénero ou no preconceito são em grande parte ignorados. Nesta última década, mais de uma pessoa por mês morreu devido a transfobia ou preconceito, sem ter em conta qualquer outros fatores da sua vida. Esta tendência não mostra nenhum sinal de diminuir.

O Transgender Day of Remembrance serve vários propósitos. Alerta a consciência pública sobre crimes de ódio contra as pessoas transgénero, uma acção que os meios de comunicação actuais não executam. Lamenta, recorda e honra publicamente a vida dos nossos irmãos e irmãs que de outra maneira talvez fossem esquecidos. Pela vigília, expressamos amor e respeito para com os nossos perante a indiferença nacional e o ódio. Lembra as pessoas não-transgénero que nós somos os seus filhos, filhas, pais, amigos e amantes. O Transgender Day of Remembrance também dá uma possibilidade aos nossos aliados de avançarem connosco e participarem nas vigílias, comemorando aqueles de nós que morreram por transfobia.

Este dia sempre foi sistematicamente ignorado por todas as associações ditas LGBT em Portugal.

Este ano, infelizmente, temos uma morte portuguesa a lamentar. Gisberta Salce Júnior, barbaramente assassinada em Fevereiro deste ano. Apesar de terem existido mais antecedentes, nenhum deles teve a atenção mediática que este teve. E para que a sua morte não tenha sido em vão, será necessário que este dia começe também a ser comemorado em Portugal.

Há que encorajar os estudantes para que organizem eventos que sejam espaços para conversas sobre a necessidade de proteger alunos transgéneros contra a discriminação e assédio baseados em identidade/expressão de género. De uma simples vigília, a assembleias, que sejam encorajados a organizar acontecimentos em escolas através do país.

Para que o nome de Gisberta não seja esquecido.

Etiquetas: ,

Observatório Homofobia/Transfobia na Saúde @ Médicos Pela Escolha
DIVULGAÇÃO